Animais mantidos na sede do abrigo Pata Voluntária no bairro do Trapiche, em Maceió — Foto: OAB-AL

Fiscalização é acionada ao abrigo do Pata Voluntária após denúncia sobre a situação dos animais

Uma força-tarefa composta por órgãos de bem-estar animal e a Vigilância Sanitária foi montada na manhã desta sexta-feira (20) para fiscalizar a situação dos animais que continuam no abrigo do grupo Pata Voluntária, no bairro do Trapiche, em Maceió, AL. Os fiscais, porém, foram impedidos de entrar. Duas diretoras e a presidente do grupo chegaram a ser presas em julho suspeitas de forjar um roubo para arrecadar dinheiro de voluntários.

VÍDEO: Denúncias sobre situação de animais leva fiscalização ao abrigo do Pata Voluntária

A Comissão de Meio Ambiente e Bem-Estar Animal da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas (OAB-AL) tem recebido relatos de que os animais não estão sendo mantidos de maneira adequada.

“A denúncia é de que os animais estão em situação de penúria, eles continuam informando em rede social que os animais estão precisando de ração, medicamento, tratamentos que foram interrompidos. No entanto, ninguém está abrindo a porta para que tanto o Conselho de Medicina Veterinária quanto a Vigilância Sanitária, que detém o poder de polícia para fazer essa averiguação, possa entrar e verificar”, afirmou a presidente da Comissão da OAB, Rosana Jambo.

Quando Maria Gisele do Nascimento Oliveira, Nayane Petrúcia Silva Barros e Amropali Pedrosa Mondal foram presas, as atividades do grupo passaram a ser realizadas por outros voluntários, já que centenas de cães e gatos ainda permaneciam no abrigo.

Mas segundo o advogado que representa Amropali, conhecida como Pali Mondal, depois que elas ganharam o direito de responder ao processo em liberdade, Pali voltou a administrar o abrigo e atualmente o mantém com recursos próprios.

“Continuam sendo elas [a tocar o abrigo], mas os valores arrecadados estão bloqueados. Todas as despesas estão sendo pagas pela Pali e pelos outros membros do Pata Voluntária. Ainda continua funcionando, tem em torno de 400 animais, ela [Pali] que está à frente pessoalmente dessas despesas, mas ela teve que reduzir vários custos, era um custo aproximado de R$ 140 mil por mês”, explicou ao G1 o advogado Marcondes Costa, que representa a presidente do Pata Voluntária.

Em contato por telefone com a reportagem, o advogado Marcondes Costa esclareceu que as proprietárias do grupo tinham autorizado somente a Vigilância Sanitária a entrar e que ele estava a caminho do local para abrir o abrigo para a vistoria.

Mas a informação foi rebatida pela presidente da comissão da OAB, que disse que todos que foram ao local para fazer a fiscalização foram impedidos, inclusive os integrantes da Vigilância Sanitária.

“Nós ficamos lá praticamente uma hora e meia. quem chegou foi uma pessoa que não quis se identificar, causou tumulto, desrespeitou um membro da Comissão, mas não se identificou, não sabemos se trata-se de alguém por parte do abrigo ou do advogado”, relatou Rosana Jambo.

A OAB informou ainda que fez registros do que encontrou do lado de fora do abrigo e que vai levar o caso à Polícia Civil para que sejam investigados os possíveis maus-tratos aos animais.

“Forte odor, todos os vizinhos reclamando do mau cheiro. Odor de lixo, fezes, larva, vermes, tudo isso à vista e filmado”, disse Rosana.

Em entrevista à TV Gazeta no início desta tarde, o advogado que representa o Pata Voluntária explicou que só havia funcionários no local quando a fiscalização chegou. “Por desinformação, por não saberem como proceder, eles acabaram não permitindo a entrada, mas a Vigilância Sanitária pode entrar aqui a qualquer momento”, disse Costa.

A Vigilância Sanitária informou que vai autuar o abrigo por ter impedido a entrada da fiscalização.

Processo na Justiça

As duas diretoras e a presidente do Pata Voluntária respondem ao processo em liberdade. A Polícia Civil disse, à época das prisões, que elas poderiam ser responsabilizadas por estelionato, associação criminosa, comunicação falsa de crime e por crimes ambientais.

“O processo penal vai demonstrar que houve um grande equívoco e que as prisões foram um teatro com atores profissionais que conduziram a operação e por isso que deu todo esse estardalhaço”, disse o advogado Marcondes Costa.

Integrantes da Comissão da OAB, Polícia Militar e Vigilância Sanitária não conseguiram fazer a vistoria no abrigo do Pata Voluntária — Foto: OAB-AL
Integrantes da Comissão da OAB, Polícia Militar e Vigilância Sanitária não conseguiram fazer a vistoria no abrigo do Pata Voluntária — Foto: OAB-AL
Fiscalização chamou atenção para descarte irregular de resíduos produzidos pelo abrigo Pata Voluntária, em Maceió — Foto: OAB-AL
Fiscalização chamou atenção para descarte irregular de resíduos produzidos pelo abrigo Pata Voluntária, em Maceió — Foto: OAB-AL

Por Cau Rodrigues, G1 AL

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.