IMA/AL procura solução para jacarés encontrados maltratados e abandonados em Maceió

IMA/AL procura solução para jacarés encontrados maltratados e abandonados em Maceió
Técnicos do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas voltaram ao local - Foto: Ascom IMA/AL

Especialistas procuram solução para as dezenas de jacarés-de-papo-amarelo que foram encontradas em situação de maus tratos e abandono. A constatação da equipe de fauna do Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA/AL), após retornar ao local onde havia um criatório, na manhã dessa segunda-feira (13), é que a maioria dos animais está muito debilitada.

Não se sabe se as condições sanitárias podem comprometer animais de outros locais. “É praticamente impossível devolver esses animais à natureza. Primeiro porque eles não têm condições físicas e, segundo, eles podem servir como vetores de doenças para outros. Ainda mais quando se considera que eles estão há, no mínimo, seis meses nessa situação de abandono”, comentou Epitácio Correia, veterinário gerente de Fauna e Flora do Instituto.

O veterinário comenta que agora há o desafio de encontrar a melhor forma de atenuar o sofrimento a que os animais estão sendo submetidos. “Estamos buscando todos os possíveis parceiros que possam nos auxiliar a encontrar uma solução. Existe a possibilidade desses animais serem sacrificados, caso seja constatado que outras atitudes possam prolongar ainda mais o sofrimento deles”, disse.

Equipe não descarta maior número de animais vivos e mortos que os divulgados anteriormente (Ascom IMA/AL)
Equipe não descarta maior número de animais vivos e mortos que os divulgados anteriormente (Ascom IMA/AL)

Todavia, é importante ressaltar que a responsabilidade sobre os animais é da protetora do empreendimento.

A equipe da fauna não descarta ainda a possibilidade do número de animais, vivos e mortos, ser maior do que o identificado na sexta-feira, quando foram encontrados 139 vivos e cinco mortos. Isso porque os recintos, em que os jacarés habitavam, estão cobertos de vegetação e os tanques com grande quantidade de matéria orgânica e proliferação de microalgas.

Infrações

A grave infração ambiental foi constatada, entre os dias 08 e 10 de fevereiro, quando, após receber denúncias, técnicos do IMA/AL e policiais do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), encontraram uma situação de total abandono e maus tratos onde antes funcionava um criatório de jacarés-de-papo-amarelo. Foram aplicadas três autuações que somadas chegam a R$ 497.720 mil.

A operação mobilizou técnicos dos setores de Fiscalização, Laboratório, Fauna, Unidades de Conservação. Além disso, o empreendimento ainda está localizado dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) do Catolé e Fernão Velho.

Também foram emitidas intimações, em uma delas a proprietária tem o prazo, até essa segunda-feira (10), para dar entrada no IMA/AL com o plano de alimentação dos animais, sob pena de multa. Isso considerando que um dos principais problemas no local é que os animais estão passando fome, os que estão vivos estão se alimentando dos restos dos mortos.

A operação mobilizou técnicos dos setores de Fiscalização, Laboratório, Fauna, Unidades de Conservação (Foto: Ascom IMA/AL)
A operação mobilizou técnicos dos setores de Fiscalização, Laboratório, Fauna, Unidades de Conservação (Foto: Ascom IMA/AL)

O jacaré-de-papo-amarelo tem o nome científico Cayman latirostris. A exploração, através de criatórios licenciados, é legalmente possível. Entretanto, o manejo deve seguir as orientações técnicas de profissionais especializados.

Epitácio explicam ainda que “em vida livre, em situação de extrema escassez de alimentos, esses animais conseguem ficar bastante tempo sem comida. Em cativeiro não se pode usar isso como justificativa para a situação, isso porque, no ato do licenciamento, os empreendedores apresentam todos os manejos a serem realizados com os animais, incluindo o manejo alimentar”.

Fonte: Tribuna Hoje