No AC, número de animais abandonados e maltratados aumentou durante pandemia

No AC, número de animais abandonados e maltratados aumentou durante pandemia

Infelizmente, durante a pandemia do coronavírus, não apenas os números de infectados e mortos crescem em todo o estado. As sociedades que trabalham no resgate de animais nas ruas de Rio Branco também revelam que neste mesmo período a quantidade de bichinhos abandonados nas ruas aumentou significativamente.

Em entrevista ao ContilNet, representantes da Sociedade Amor a Quatro Patas (SAQP) e da Associação Patinha Carente, que prestam serviços na capital, informaram que o número de doações que ajudam a manter os cuidados também foi reduzido.

“Lamentavelmente, recebemos quase 70 mensagens por dia nas nossas redes sociais sobre animais que foram abandonados, que foram resgatas e que estão em lar provisório”, disse Isabela Makowski, uma das coordenadoras da SAQP.

“Infelizmente podemos afirmar que houve aumento no número de casos de abandono durante a pandemia. Não apenas de abandono, mas também de maus tratos. Nesse sentido, podemos citar como exemplo o número de pedidos de ajuda para animais esfaqueados, que triplicou durante a quarentena. A frequência dos pedidos de ajuda também aumentou, apesar de ser sempre muito grande. Infelizmente todos os dias recebemos muitos pedidos de ajuda para resgates de animais abandonados e vítimas de maus tratos”, explicou Thamires Abdelnour, que é vice-presidente da Patinha Carente.

Na ocasião, Isabela e Thamires também falaram sobre as crenças distorcidas que são compartilhadas sobre a relação dos animais com a Covid-19, colaborando para o número de abandonos. Além disso, pontuaram que a questão financeira é também um indicador forte nesse sentido.

“Muitas pessoas abandonaram seus animais por acreditarem que eles poderiam ser transmissores do coronavírus e também por questões financeiras, tendo em vista que muitas perderam suas fontes de renda e, infelizmente, a primeira atitude tomada por muitos nesse momento é a de se “livrar” dos seus animais, como forma de tentar economizar”, declarou Thamires.

“Os animais não transmitem COVID-19 para humanos, portanto são companhia segura nessa quarentena (e para o resto da vida). Devido às dificuldades financeiras decorrentes da pandemia, até cães de raça têm sido abandonados ou, no mínimo, colocados para adoção (nessas últimas semanas, já recebemos casos de pinscher, poodle e até chihuahuas). Contudo, esses rapidamente são adotados, pois infelizmente as pessoas ainda não se permitem a descoberta de que um animal sem raça tem o mesmo valor”, pontuou Isabela.

Quer ajudar? 

Os interessados em adotar um animal para tornar o lar ainda mais feliz, pode entrar em contato com Sociedade Amor a Quatro Patas (SAQP) e com a Associação Patinha Carente, pelo Instagram o Facebook, pelo direct.

Além disso, os que querem contribuir com doações em forma de dinheiro ou ração, podem fazer o mesmo.

A SAQP é uma associação de proteção animal criada em 2011. Doações pelo Banco do Brasil: AG: 5790-8/CC: 6.304-5/CNPJ: 18.956.679/0001-52.

Desde 2013, a Associação Patinha Carente atua na proteção aos animais. Doações pelo Banco do Brasil: Ag. 8125-6 | CC. 78296-3 | 21.614.179/0001-47.

Por Everton Damasceno

Fonte: Contilnet Notícias

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.