Animal perdeu a nadadeira esquerda e está em situação preocupante — Foto: Ascom Unama/Divulgação

Peixe-boi resgatado por pescadores é entregue para reabilitação em zoológico de Santarém, PA

Resgatado por pescadores na comunidade Santana do Ituqui, em Santarém, no oeste do Pará, um filhote de peixe-boi de quase três meses de vida foi entregue ao Projeto Peixe-Boi, do zoológico da Unama, para receber cuidados e passar por reabilitação.

Macho pesando 11,8kg e medindo 1,12m, o animal foi entregue pelos militares do 4º Grupamento de Bombeiros Militar (4ºGBM) na quarta-feira (24). O filhote passou por avaliação clínica que constatou graves ferimentos na nadadeira peitoral esquerda, que pode ter sido causado por um animal predador.

O médico veterinário Jairo Moura ressaltou que a situação do peixe-boi é considerada preocupante, pois a nadadeira foi arrancada.

“Já estamos fazendo um tratamento tópico, com aplicação de pomada, antibióticos e de anti-inflamatórios, para que o animal possa entrar no processo de recuperação e logo sair do estágio crítico”, disse.

Pela natureza, após o período gestacional de 11 a 13 meses, o animal mama até os dois anos de idade, ou seja, é um cuidado parental longo comparado com a grande maioria dos mamíferos. Por isso, ele receberá todos os cuidados necessários que um filhote órfão precisa.

Tratamento especializado

Quando os peixes-boi chegam no projeto do zoológico, ficam em piscinas separadas onde a água é trocada duas vezes ao dia, para que a água não fique parada com dejetos, o que seria uma fonte de contaminação. Os animais ficam separados, sendo observado o grau de recuperação deles para avançar no tratamento.

Jairo ressalta também que o trabalho só existe porque a população santarena se preocupa com o meio ambiente. “A grande maioria desses animais não estaria aqui se a população não acreditasse no nosso trabalho. As pessoas entram em contato com as organizações e juntos fazemos o resgate dos animais”, frisa entusiasmado.

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: Ótimo que o animal seja atendido e que se realize um trabalho de reabilitação. Lamentavelmente, as outras atividades de um zoológico são péssimas para os animais, condenados à prisão perpétua, o que é um exemplo terrível para a população na medida que naturaliza o cativeiro e o sofrimento a ele inerente apenas para entreter o público. Santuários podem cumprir também este papel de reabilitação num contexto muito mais propício e ético.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.