Polícia busca suspeito de praticar zoofilia em cadela encontrada ferida em São Gabriel do Oeste, MS

Polícia busca suspeito de praticar zoofilia em cadela encontrada ferida em São Gabriel do Oeste, MS

A Polícia Civil busca o suspeito de ter praticado zoofilia em uma cadelinha, resgatada ferida em uma residência de São Gabriel do Oeste, cidade a 163 quilômetros de Campo Grande. O animal foi resgatado por voluntários da ONG Consciência Animal, na última quarta-feira (07).

A suspeita inicial era de que ela teria sido atropelada, pois sangrava muito. A cachorrinha foi encaminhada para atendimento em clínica veterinária e após exames a médica afirmou que ela poderia ter sido estuprada.

Segundo relato da veterinária, o agressor teria puxado com tanta força o rabo do animal que rasgou a pele e o seu ânus. A veterinária fez curativos e aplicou medicações na cadelinha. Até a tarde desta quinta-feira ela ainda não tinha conseguido defecar.

Outro cachorro resgatado pela ONG, tinha sido queimado com água quente. (Foto: ONG Consciência Animal)

Enquanto isso a polícia está em busca do agressor. Há suspeitas de que o animal tenha sido ferido na noite de terça-feira (06) no bairro Fênix, nas proximidades da Cargill. O caso foi registrado como praticar abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.

A Polícia Civil disponibiliza o número (67) 3295-1480 para denúncias, caso alguém saiba do paradeiro do dono do animal. A ONG também pode ser acionada pelo 67.99815.1194.

Outro caso – Ainda conforme o site Idest, nesta quinta-feira (08), os voluntários da ONG também resgataram outro animal que tinha várias queimaduras pelo corpo. De acordo com as informações levantadas pelos voluntários, os tutores mudaram e abandonaram o cachorro. As queimaduras teriam sido causadas pelo antigo dono, que chegou em casa embriagado e como o cachorro estava latindo, esquentou água e jogou nele.

Por Adriano Fernandes

Fonte: Campo Grande News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.