Polícia declara tolerância zero para crueldade contra animais na Irlanda

Polícia declara tolerância zero para crueldade contra animais na Irlanda

Uma investigação da força policial irlandesa (Gardaí) está em andamento após a descoberta de um cavalo morto na margem do Rio Nore, na Irlanda, na tarde do dia 26 de março.

Transeuntes preocupados e um veterinário local tentaram desesperadamente salvar o animal aflito, que se afogou apesar dos esforços do público para salvar sua vida.

Uma autópsia foi realizada. A Gardaí também falou com aqueles que testemunharam o incidente e continua a sua investigação.

Sinead Gibbons disse que ela se deparou com o cavalo e um homem que “estava tentando segurar a cabeça do animal para fora da água por 20 minutos antes de chegarmos” na Linear Walk, nos arredores da cidade.

“A água estava congelante, mas eu pulei e consegui colocar a cabeça do cavalo para fora da água”.

“Ele ainda estava vivo, mas muito mal”.

“Foram necessárias oito pessoas para conseguir tirá-lo da água, incluindo um rapaz que entrou na água congelante comigo para empurrá-lo por trás”, ela disse em uma postagem no Facebook.

O incidente chocante causou revolta local e nacionalmente.

O superintendente Dominic Hayes disse que a Gardaí tem “uma tolerância zero” em relação à crueldade animal.

Ele também disse ao jornal Kilkenny People que a força policial está trabalhando com o Departamento de Agricultura e o Conselho do Condado de Kilkenny para reduzir o número de cavalos nos arredores da cidade.

“Estamos trabalhando para reduzir o número de cavalos que a comunidade viajante tem e também queremos deixar claro que todos os cavalos devem ser microchipados por lei. Caso contrário, eles serão apreendidos”, ele disse.

“O Projeto Cavalo, viabilizado pela Pavee Point (uma organização que faz campanha pelos direitos dos viajantes) está ajudando muito na melhoria da criação de animais, na redução do número e fazendo com que os cavalos sejam microchipados”.

“Nós temos um histórico de acusações relativas à crueldade animal, e 29 cavalos permanecem muito bem cuidados sob a responsabilidade do estado após terem sido apreendidos no ano passado por questões sobre seu bem-estar”, ele acrescentou.

O Conselheiro Andrew McGuinness, que fez com sucesso uma campanha para proibir corridas de charretes, disse que “o nível de crueldade visto em Kilkenny nos últimos anos é intolerável”.

“Fizemos enormes esforços para impedir isso com os projetos de cavalos, a provisão de terrenos com instalações para cavalos, novos regulamentos e assim por diante, e mesmo assim incidentes grotescos como este ainda acontecem”, ele disse.

O Conselho da Sociedade Protetora dos Animais de Kilkenny também publicou uma declaração sobre o incidente e ressaltou que nenhum membro do público entrou em contato com a organização diretamente em relação a este incidente. Eles declararam que três ligações foram recebidas, mas não deixaram nenhum recado. Todas as mensagens gravadas são automaticamente transferidas para o celular dos funcionários em tempo real.

“Nós fomos informados sobre o incidente às 14h41 por um veterinário local, e recebemos informações de contato de uma pessoa presente no local, entramos em contato com essa pessoa às 14h49, demos conselhos pelo telefone e informamos que um veterinário estava a caminho do local”, a declaração disse.

Pedidos por medidas melhores a serem implantadas em relação ao bem-estar dos cavalos serão abordadas tanto nacionalmente como no conselho local.

O deputado John McGuinness está pedindo ao Ministério para impor uma restrição de idade àqueles que operam veículos puxados por cavalos. Ele também está pedindo um teste similar ao feito com veículos para priorizar a segurança e o bem-estar animal nas estradas, uma exigência de licença/registro e atendimento total às leis existentes, incluindo uma licença dos cavalos, microchipagem e nossas próprias leis das corridas de charretes.

O Conselheiro Andrew McGuinness também submeteu a proposta ao Conselho do Condado de Kilkenny e também está pedindo uma reunião com a Gardaí para verificar o impacto das leis relativas às corridas de charretes criadas por nós em 2015.

“O Conselho de Condado de Kilkenny deveria, em conjunto com a polícia, remover qualquer cavalo que não tenha licença ou que pareça desnutrido ou negligenciado, e fazer isso imediatamente em um grande ‘pente fino’”.

“Eu também quero apelar aos donos de terras que não permitam mais que suas terras sejam usadas para manter cavalos se eles suspeitarem que o cavalo possa ser usado em corridas de charretes e nos reportar imediatamente”, ele acrescentou.

O Conselheiro Malcolm Noonan disse que ele estava “satisfeito que uma ação apropriada foi tomada tanto pela polícia como pela autoridade local neste assunto”. “Nós devemos esperar o resultado da investigação da Gardaí, que eu estou certo que irá estabelecer os fatos por trás deste incidente muito estressante”, ele disse.

No mês passado, dois cavalos foram encontrados mortos e abandonados em terras perto da Hebron Road. Seus corpos estavam desnutridos e congelados.

Por Mary Cody / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Kilkenny People


Nota do Olhar Animal: A matéria relata mais um caso que evidencia o fato de que medidas de regulamentação da exploração animal não funcionam nem para aquilo a que se propõe. Só o banimento da exploração atende aos interesses dos animais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.