Secretário de Meio Ambiente discute possível retirada de animais da Lagoa Maior, em Três Lagoas, MS

Secretário de Meio Ambiente discute possível retirada de animais da Lagoa Maior, em Três Lagoas, MS
Animais ficam expostos e em contato com a população (Foto: Reprodução)

Os animais que habitam a Lagoa Maior, em Três Lagoas, foram tema de discussão na última sexta-feira (24), em Campo Grande, entre o secretário municipal de Meio Ambiente e Agronegócio, Celso Yamaguti, uma equipe de técnicos ambientais, o diretor Jurídico da cidade, Luiz Henrique Gusmão, e membros executivos do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul).

A reunião foi realizada para uma primeira análise sobre a possibilidade de manejo dos animais como capivaras e jacarés, que vivem na Lagoa, localizada na área central da cidade. O assunto tomou conta da cidade no início do mês após um vídeo correr pelas redes sociais, mostrando um jacaré devorar um cachorro próximo à avenida Aldair Rosa de Oliveira, ou seja, bem longe da área em torno da lagoa, onde o animal costuma ficar.

De acordo com Yamaguti, ficou definido no encontro que a prefeitura vai encaminhar uma carta consulta, solicitando a análise da possibilidade de retirar os animais. “Esse pedido é analisado e aprovado pelo Imasul, pois qualquer ação a ser feita na lagoa ou com os animais, precisa da autorização deles. Nossa preocupação é que, com a diminuição da oferta de alimento e o aumento da população animal do local, os ataques a animais domésticos passem a ser mais frequentes”, comentou.

O secretário de Meio Ambiente ressaltou ainda que o pedido é visando dar maior segurança a própria população. “Mais do que a segurança dos animais, pois acidentes frequentes com, por exemplo, capivaras atravessando a avenida da circular da lagoa, tememos pela segurança de crianças que utilizam o local como ponto de lazer. Apesar dos animais serem acostumados com o movimento, ainda assim têm instintos selvagens”, explicou.

Celso comentou ainda que tudo será extensamente discutido e analisado. “Não vamos tomar nenhuma decisão precipitada, pois a retirada dos animais também pode gerar desiquilíbrio na Lagoa Maior ou em outros locais aos quais forem destinados. Tudo é muito delicado e teremos que fazer com calma, porém com prioridade, pois é uma questão de segurança pública e de preservação ambiental”, finalizou

Além dos representantes do município, estiveram na reunião o gerente de Recurso, Pesqueiros e Fauna do Imasul, Vander Melquiades, os fiscais ambientais, Ana Paula Felicio e Flávio Henrique Fardin, e o técnico da área, Nilton de Castro Ramos. Idealizador da discussão, o vereador Rialino Medeiros de Araújo, representou a Câmara Municipal.

Encontro no Imasul buscou uma primeira análise sobre a possibilidade de retirada dos animais (Foto: Divulgação/Prefeitura de Três Lagoas)

Por Gian Nascimento

Fonte: Capital News 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.