Morte de cadela comunitária a pauladas em Manaus é denunciada por protetores e Comissão

Morte de cadela comunitária a pauladas em Manaus é denunciada por protetores e Comissão

A morte de uma cadela conhecida como pretinha fez com que o grupo Protetores dos Animais de Manaus e a Comissão de Proteção Animal da OAB-AM fizessem uma denúncia contra o crime de maus-tratos, na Delegacia Especializada em Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema).

O Boletim de Ocorrência foi feito na tarde de hoje, onde foram apresentados vídeos e provas sobre o ocorrido com o animal, que vivia no bairro Cidade de Deus, Zona Norte.

Com o registro, o grupo espera o máximo rigor na apuração e a responsabilização dos autores do crime contra o animal que foi agredido a pauladas no último sábado (20).

A representante do Grupo Protetores dos Animais de Manaus, Marinete Moura, disse que souberam do caso por meio das redes sociais do grupo, infomando que o animal tinha sido vítima de maus-tratos.

“Ela ficou internada, mas não resistiu. O que a gente quer com esse registro é que o responsável por essa atrocidade seja punido. Isso não pode ficar assim”, afirmou.

O animal, segundo a denunciante, era uma cadela comunitária de nome Pretinha e teria sido vítima de um morador da área, que teria a espancado com golpes de madeira. A cachorra chegou a ser levada para urgência de uma clínica veterinária, mas após alguns dias de internação, não resistiu aos graves ferimentos e morreu.

Na delagacia a titular da Dema, delegada Carla Biaggi, informou que tomou ciência do ocorrido hoje e já vai iniciar as investigação e tentar identificar o agressor. “Agora vamos juntar as provas, ouvir as testemunhas e depois encaminhar o caso à Vara de Meio Ambiente. Se condenado, o suspeito pode responder pelo crime de maus-tratos de seis meses a um ano de detenção”, explicou Biaggi.

A Comissão de Proteção Animal da OAB-AM informou que vai garantir que todos os procedimentos sejam feitos e o suspeito seja punido.

Fonte: A Crítica

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.