Cães resgatados de montanha vencem trauma e se tornam exemplos de resiliência

Cães resgatados de montanha vencem trauma e se tornam exemplos de resiliência
Foto: Veronica Shea

Em 2020, Veronica Shea estava fazendo uma caminhada com seu cachorro na Floresta Nacional de Angeles, na Califórnia, quando avistou algo estranho se movendo à frente deles. “Demos uma volta na curva e olhei para o lado e havia uma coisa preta enorme”, disse Shea ao The Dodo. “Ele subiu na lateral de um penhasco”.

Veronica seguiu o animal peludo e se deparou com três cães desnutridos sozinhos na natureza. Percebendo que os cães estavam abandonados, ela sabia que tinha que ajudá-los. Todos os dias, durante várias semanas, ela subiu a montanha para alimentar os cachorros e trabalhar para ganhar a confiança deles.

Aos poucos, os cães se acostumaram com ela e até começaram a comer de suas mãos. Mas Veronica não tinha ideia de como tirá-los da montanha. Se ela prendesse um cão, os outros fugiriam? Ela sabia que não conseguiria fazer isso sozinha.

Foto: Veronica Shea
Foto: Veronica Shea

Uma jornada para o resgate

Quando pediu ajuda, uma equipe inteira de socorristas se apresentou. Juntos, eles carregaram equipamentos montanha acima e montaram uma gaiola improvisada. Os socorristas cuidadosamente atraíram os cachorros para dentro dela e os carregaram montanha abaixo. Os três cães chamados Princesa George, Grace e Steve, que se acredita serem irmãos – estavam seguros agora. Mas eles ainda tinham uma longa jornada pela frente.

Os socorristas procuraram Cheri Wulff Lucas, uma conhecida treinadora e comportamentalista de cães da Califórnia, para ver se ela poderia ajudar os cães nervosos a aprender a confiar novamente. “Eles não podiam ser adotados do jeito que chegaram”, disse Cheri ao The Dodo. “Eles não podiam ser tocados. Não podiam ser amarrados com coleira. Eles estavam simplesmente apavorados.”

A Princesa George, Grace e Steve responderam bem ao treinamento de Lucas. Ainda assim, eles continuaram a ter um “reflexo de susto muito forte”, disse a treinadora. Isso tornou difícil encontrar o lar perfeito para eles. “Seria necessário um lar muito especial para eles, porque eles não são o tipo de cachorro que vai ao parque”, disse Cheri. “Até mesmo passear com eles nas ruas da cidade seria demais para eles. E se eles se assustarem, eles pesam 56 quilos, então seria muito difícil contê-los.”

Mas a treinadora sabia que os cães estavam seguros em sua própria propriedade. “Estou no meio do nada. Não há trânsito por aqui. Não dá para ver outra casa daqui. Portanto, se eles saíssem, simplesmente voltariam para mim”.

Um novo lar

Embora Cheri nunca tenha planejado ficar com os cães abandonados, foi exatamente isso que ela acabou fazendo. Essa acabou sendo a melhor decisão para todos. Os cachorros continuaram a viver em um ambiente seguro e solidário. E a treinadora descobriu que os cães poderiam ajudá-la em seu trabalho.

“Se recebo cães que precisam de socialização – para se familiarizarem e serem menos reativos com outros cães -, uso minha matilha para ajudá-los a se reabilitar”, disse Cheri. “E todos os três são altamente sociáveis com cães. Eles sabem como farejar adequadamente, como não dominar o cão que precisa de socialização. Eles são simplesmente impecáveis. E isso não foi algo que eu lhes ensinei – eles vieram assim.”

Foto: Veronica Shea
Foto: Veronica Shea

O trio foi particularmente útil quando Lucas começou a trabalhar com outra cadela chamada Andi, que foi resgatada de um caso de acumulação. “Ela havia vivido em um cercado por sete anos sem contato humano, sem coleira ou qualquer outra coisa e estava apavorada. Eles simplesmente entraram e a fizeram se sentir confortável. Foi muito legal ver isso. Eles a aproximaram de uma forma que eu nunca conseguiria como humano.”

Foto: Veronica Shea
Foto: Veronica Shea

Assim, Cheri acabou adotando Andi também, elevando sua matilha pessoal de cães para 12. Agora, Princesa George, Grace e Steve estão morando com a treinadora há mais de três anos e são cães completamente diferentes. De acordo com ela, eles são incrivelmente brincalhões. “Se você viesse à minha casa e não conhecesse a história deles, pensaria que eles são como qualquer outro cachorro.”

Fonte: Tribuna de Jundiaí