De troféu a joias com dentes, partes de onças-pintadas são enviadas para China

De troféu a joias com dentes, partes de onças-pintadas são enviadas para China
Presas de onça-pintada são utilizadas por chinheses no lugar de presas de tigres para joias e amuletos. (Foto: ONG Long Earth League International)

A biopirataria entrou na mira da PF (Polícia Federal) nesta semana, ao deflagra a Operação Yaguara, em Corumbá, a 419 km de Campo Grande. A cidade pantaneira faz fronteira seca com a Bolívia, principal fornecedora dos últimos anos de peças de onças-pintadas para o mercado asiático.

Os criminosos se aproveitam da maior concentração do felino no Pantanal para lucrar com a caça ilegal e venda de dentes, cabeças e até pênis do animal para os chineses. Após séculos de matança dos tigres asiáticos que está em extinção, esses consumidores viram na onça-pintada uma semelhança para substituir os ‘produtos’ na criação joias, amuletos e até medicamentos tradicionais.

O corpo da onça-pintada, sem cabeça, boiando no Rio Paraguai em março deste ano acendeu um alerta para os órgãos de fiscalização. A investigação da PF confirmou que a cabeça do animal foi vendida para o exterior, configurando também a prática de biopirataria.

Vale ressaltar que não existe uma estatística precisa da biopirataria, já que é um comércio ilegal e que envolve uma cadeia de traficantes. Além disso, os caçadores se desfazem da carcaça para sumir com as provas do crime ambiental. Jogam o corpo do felino no rio, que é devorado por peixes e afunda.

De acordo com um relatório da ONG Wildlife Traffic que investigou o tráfico de onças-pintadas no Brasil, entre 2015 a 2020, foram realizadas 30 apreensões de partes do felino no país. Mas, o número provavelmente representa apenas uma fração dos incidentes gerais de caça furtiva. Em 2016, veículos de imprensa noticiaram que policiais brasileiros apreenderam partes de corpos de 19 onças-pintadas.

Já outro levantamento feito sobre o comércio legal e ilegal de leões e outros grandes felinos realizado pela TRAFFIC, identificou entre 2010 e 2021, a apreensão de 126 dentes e 13 garras que tinham a China como destino final. Já de 2016 a 2021, 44 garras e oito dentes foram apreendidos com a China como destino final, representando 100% das crises de garras e 19% das crises dentárias.

Esqueleto de crânio de onça-pintada apreendido durante fiscalização na Bolívia. (Foto: Britta Jaschinski/ONG ELI)
Esqueleto de crânio de onça-pintada apreendido durante fiscalização na Bolívia. (Foto: Britta Jaschinski/ONG ELI)

Onça x homem – Após séculos no Pantanal, a caça de onças que comem o gado continua existindo. Fazendeiros chegam a pagar até R$ 5 mil por cabeça de animal abatido. Esses caçadores são chamados de ‘pistoleiros do gato’. A cabeça do felino é vendida por 10 mil dólares como troféu de caça no mercado ilegal.

Apreensões antigas também registraram a prática de abate de onças na região da Amazônia boliviana para traficar suas presas. Contrabandistas pagavam a caçadores até 100 dólares por dente e revendiam no mercado asiático por até 5 mil dólares.

Os dentes de onça-pintada começaram a ser traficados internacionalmente na Bolívia após um aumento de investidores chineses no país. Com isso, uma rede de criminosos que fazem a ‘caça por encomenda’ dos animais para conseguir as presas e fazer joias, que simbolizam na cultura asiática status social ou proteção contra o mal.

O corpo do animal também é utilizado para a produção de uma cola medicinal. A pasta de onça substitui o uso de tigres para ter o produto tradicional vietnamita, mas feito e vendido por chineses.

A substância tem o aspecto de melaço e é feita a partir da fervura do corpo da onça durante sete dias. Mesmo sem comprovação cientifica, eles acreditam que o remédio cura dores e fortalece o corpo humano. Já o órgão sexual do animal é usado no preparo de fórmulas ligadas à fertilidade. – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Diversas presas de onça-pintada apreendidas com traficantes bolivianos. (Foto: ONG ELI)
Diversas presas de onça-pintada apreendidas com traficantes bolivianos. (Foto: ONG ELI)

Colapso – Por ser um animal do topo da cadeia alimentar, a caça de onças-pintadas pode causar um colapso em todo o sistema ambiental, de forma irreversível.

O coordenador do programa Felinos Pantaneiro, do IHP (Instituto Homem Pantaneiro), o médico veterinário Diego Viena, explica o impacto na ecologia causado pela caça de onças-pintadas.

“Quando a gente perde um predador do topo de cadeia alimentar, a gente está perdendo quem equilibra o Pantanal. Vai influenciar ainda na flora, porque o ambiente é equilibrado e conectado”, destacou.

Ele ainda disse que a morte do animal também impacta economicamente o turismo no Pantanal. “Tem turista que vem para cá para ver onça viva e ver esse equilíbrio da natureza. É algo que movimenta milhões de reais para Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. São turistas nacionais e estrangeiros. Ainda existe a repercussão negativa que podemos ter ao se falar da forma como a onça morreu e isso impactar no turismo”.

Denuncie – A Delegacia da Polícia Federal em Corumbá mantém canal de denúncias anônimas através do e-mail uip.cra.ms@pf.gov.br e do telefone 67 9 9616 2162. Caso saiba de informações sobre este ou outros casos de competência da PF entre em contato.

Por Gabriela Couto e Natália Olliver

Fonte: Campo Grande News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.