Adoção de cães e gatos cresce 200% durante a quarentena em Jundiaí, SP

Adoção de cães e gatos cresce 200% durante a quarentena em Jundiaí, SP

Durante os dias de isolamento, inúmeras famílias decidiram dividir a vida e a casa com um novo bichinho de estimação. De acordo com a diretora da União Protetora Internacional dos Animais (UIPA), Carmela Riveli Paniza, a adoção de animais em Jundiaí teve um crescimento de 200% nos últimos dois meses. “Desde maio, temos conseguido famílias para aproximadamente três a quatro cães e gatos por semana. Antes disso, costumávamos doar em média um animal por semana”, alega, relembrando que só no último domingo (28) quatro animais ganharam um novo lar.

Além do trabalho realizado nas instituições protetoras, há quem acolha animais de rua por conta própria. Esse é o caso da professora Adriana Costa Veloso, de 38 anos, que cede a própria casa aos animais de rua. “Eu alimento, dou banho e lar provisório para gatinhos abandonados. Quando necessário, também os leva ao veterinário e auxilio na prospecção de donos em potencial”, conta a voluntária que, em dois anos, já acolheu mais de 50 animais com histórico de abandono e maus-tratos.

Ela também notou o aumento pela busca de adoção de animais. “Só em uma semana eu consegui lar para 10 gatinhos, o que é ótimo pois assim, posso acolher novos animais até que tenham uma nova família”, ressalta.

Foi através da Adriana que a enfermeira Hellen Cristina Munhoz, de 37 anos, pôde adotar o Lúcio e a Marry. “Entrei em um grupo de adoção no Facebook e conheci a Adriana, que me mostrou os gatos para adoção e então, não tivemos dúvidas”, compartilha comemorando os dois novos integrantes da família.

Hellen conta que em 48 horas sua vida mudou. “Eles trouxeram mais alegria para a nossa rotina, e diminuiu até mesmo nossa tensão nesses dias de isolamento. Fico ansiosa para chegar em casa e encontrá-los, mesmo sabendo que agora eles é que mandam no sofá”, brinca.

Resgate

Abandonados à beira de um rio. Foi assim que o eletricista Rogério Robson Farias, de 50 anos, encontrou três filhotes de cachorro. “Eles pertenciam a um casal que não tinha condições de cuidar e que queria se livrar dos animais a qualquer custo. Eu não podia deixar de resgatá-los”, conta Farias que, há 30 anos auxilia animais de rua.

Dos três filhotes de cachorro, dois já foram adotados e um ainda não possui um lar e por isso segue acolhido pelo eletricista até que alguém possa adotá-lo. “Não conseguiria deixá-los na rua de forma alguma. Dar um lar provisório é o mínimo que eu poderia fazer por esses animaizinhos”, reitera.

O Departamento de Bem-Estar Animal (Debea), órgão da Unidade de Gestão de Planejamento e Meio Ambiente (UGPUMA), possui no momento 80 animais abrigados, sendo que entre maio e abril deste ano, quatro foram acolhidos. Dentre esses, três foram adotados. No período houve uma redução de cerca de 20% no número de animais disponíveis para adoção.

A diretora do Debea, Daniela de Araújo Passos, alega que o órgão analisa se a adoção não deve ser feita por impulso e reforça sobre a importância da conscientização. “Os animais têm sentimentos e podem viver por mais de 10 anos, gerando gastos com alimentação e consultas veterinárias”, afirma.

Seja através da Uipa. do Debea ou de protetores voluntários, para adotar um animal é preciso passar por uma breve entrevista. O procedimento é necessário para averiguar se a família oferece as condições necessárias para dar qualidade de vida ao animal.

ADOTE VOCÊ TAMBÉM!

Grupo ‘animais para adoção’: https://bit.ly/2NHMWie

Adriana: (11) 99734-8898

UIPA: www.uipa.com.br ou (11) 99936-3470

DEBEA: [email protected]

Rogério: (11) 97376-1695

Por Kátia Appolinário

Fonte: Jornal de Jundiaí

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.