Animais são apreendidos na barreira sanitária em Volta Redonda, RJ

Animais são apreendidos na barreira sanitária em Volta Redonda, RJ

A Prefeitura de Volta Redonda fez a apreensão de 48 animais, 43 aves e quatro cabritos, que eram transportados em condições irregulares pela Rodovia do Contorno, próximo ao bairro Vila Rica/Tiradentes. A ação foi coordenada pela Guarda Municipal na tarde da última sexta-feira, dia 19.

Os agentes atuam no local que é uma das barreiras sanitárias implantadas desde o início do mês de maio, criando um cinturão de segurança, impedindo a entrada de veículos de outras cidades e estados para evitar a migração do novo coronavírus.

O prefeito Samuca Silva explica que a implantação das barreiras sanitárias, pelo Decreto Municipal 16.147, é mais uma medida de prevenção à covid-19. A restrição de acesso ao município é importante neste momento de pandemia e é a Guarda Municipal que está fazendo esse controle em oito pontos diferentes de acesso à cidade.

“Neste caso, os agentes identificaram outro problema e agiram de forma correta, já que Volta Redonda avança na questão de proteção dos animais. O poder público municipal está empenhado nesta causa, inclusive com a elaboração de um Plano Municipal de Proteção e Defesa dos Animais, e qualquer ação que caracterize maus tratos deve ser verificada e inibida”, falou o prefeito.

A equipe que é formada por três guardas municipais, parou o veículo com placa do município de Mesquita, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, e constatou que em seu interior havia vários animais em condições inadequadas de transporte e acomodação, caracterizando maus tratos e risco de morte.

Ação de controle da circulação do coronavírus identifica transporte em condições irregulares de aves e mamíferos na Rodovia do Contorno. – Evandro Freitas

O condutor também não apresentou documento de posse dos animais, Carteira Nacional de Habilitação e ainda estava com o documento do veículo atrasado. De acordo com as informações da equipe o condutor e animais foram encaminhados então à sede da Guarda Municipal.

No local, foram acionados o Grupamento de Guarda Ambiental e a coordenação de Bem-Estar Animal, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que constataram crime ambiental previsto na Lei 9.605/98 (Lei dos Crimes Ambientais), artigo 32.

Os ocupantes do veículo foram então conduzidos a 93ª Delegacia de Polícia. Após o registro policial, foi realizada perícia técnica dos animais e foi constatado que uma galinha d’angola estava morta. As 43 aves e os quatro cabritos recebem os cuidados de biólogos da prefeitura e devem ficar com um fiel depositário confiado pela Secretaria de Meio Ambiente. 

 

Fonte: O Dia

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.