Cadela é esfaqueada na região do Mercado Popular de Juazeiro, BA; protetora pede ajuda para identificar criminoso

Cadela é esfaqueada na região do Mercado Popular de Juazeiro, BA; protetora pede ajuda para identificar criminoso

Uma protetora de animais de Juazeiro, Norte da Bahia em contato com o PNB nesta segunda-feira (23) denunciou o crime de maus-tratos cometido contra uma cadelinha no último sábado (21), no centro da cidade.

De acordo com ela, que preferiu não ser identificada, a cachorrinha “Mel” foi atingida por três golpes de faca, dentro do Mercado Popular de Juazeiro, por uma pessoa ainda não identificada.

“Mel é uma cachorrinha comunitária, que é assistida por algumas cuidadoras. Geralmente ela dorme na casa de uma protetora de animais e quando é de tardezinha, ela solta a cadelinha para que ela possa fazer as necessidades. Mel gosta muito de ficar perambulando pelas ruas do centro da cidade. Só que no sábado, por volta das 17h, alguém cometeu esse crime contra ela dentro do Mercado Popular de Juazeiro. Ela já saiu de lá ferida em três locais, e foi socorrida por uma protetora que trabalha em um frigorífico próximo, com a ajuda de uma ONG da região”, contou a protetora.

Ela contou ainda que o caso revoltou os protetores de animais da região, que agora pedem a punição da pessoa que cometeu o crime.

“Até o momento ninguém falou quem cometeu esse crime, mas com certeza há testemunhas. A cadelinha Mel está internada em uma clínica de Juazeiro, com previsão de alta hoje ou amanhã. Ela é uma cadelinha muito dócil e o que fizeram com ela foi uma barbaridade”, acrescentou a protetora.

Ela finalizou criticando a falta de ações públicas voltadas para a causa animal em Juazeiro.

“Infelizmente a situação precária dos animais de rua em Juazeiro é gritante. A omissão do poder municipal para causa animal é grande. Juazeiro vive somente de promessas. Promessas de um castra móvel e de um canil/gatil que realmente atenda as necessidades dos animais de rua”, concluiu.

Outros casos

No último dia 18, moradores de Alfavaquinha, na região do Salitre, em Juazeiro, entraram em contato com nossa redação bastante revoltados, para denunciar a matança de cães na comunidade.

Segundo eles, nas últimas semanas um animal foi morto a tiros e três cães foram encontrados mortos por envenenamento. Eles suspeitam que os autores do crime, sejam também moradores que criam ovelhas na localidade.

“Semana passada, mataram a tiros até os próprios cachorros deles porque atacaram as ovelhas. Pegaram o costume de jogar veneno e assim matam os cachorros da redondeza, mesmo os que nem chegam perto do criatório deles. Espalham veneno por todo canto e os bichinhos acabam morrendo,” contou um morador que, temendo alguma represália, pediu para não ser identificado.

Na ocasião, ele lamentou emocionado a morte do seu cão de estimação, o “Bimbinho”.

“Meu cachorro não fazia mal a ninguém, era o mais sabido de todos. Quando eu sai pra trabalhar hoje cedo encontrei ele morto na cancela. Ontem estava aqui com a gente, alegre, brincando e hoje encontro ele envenenado. Uma perversidade! Uma crueldade! Pedimos que a polícia venha na comunidade e faça alguma coisa para parar com essa matança,” pediu o morador.

Já no último dia 18, a protetora de animais de Carnaíba do Sertão, distrito de Juazeiro, Norte da Bahia, Suelane Napolião da Silva Lima, também denunciou o crime de maus tratos cometido por um homem, que seria morador da comunidade, contra uma cadelinha.

O acusado, que não teve a identidade revelada, esfaqueou o animal na manhã de hoje e fugiu após o crime, contou Suelane Lima na ocasião.

“Essa cadela, que chamamos aqui na comunidade de ‘Branquinha’ vive solta pelas ruas e não faz mal a ninguém. De acordo com populares que estavam cedo na rua, foi um morador da comunidade. Ela não sai da rua, fica na nossa esquina e na nossa calçada, como todos os outros animais que eu cuido. O homem atacou ela com uma facada e, graças ao apoio que recebi do Vereador Berg da Carnaíba, trouxemos ela para uma clinica onde está sendo atendida. Vai passar por uma cirurgia, perdeu muito sangue, mas está estável,” informou a protetora na época.

Na ocasião, Suelane contou ainda que a Polícia Militar esteve na localidade, mas não encontrou o autor.

“O Vereador Berg da Carnaíba acionou a polícia, mas o autor fugiu. Vamos prestar queixa na delegacia e pedimos que a Polícia Civil apure esse crime,” pediu a protetora na época.

Crime

De acordo com a Lei 9.605/98, artigo 32, é crime praticar maus-tratos contra animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos. Várias condutas podem caracterizar os crimes, tais como o abandono, ferir, mutilar, envenenar, manter em locais pequenos sem possibilidade de circulação e sem higiene, não abrigar do sol, chuva ou frio, não alimentar, não dar água, negar assistência veterinária se preciso, dentre outros.

Hoje, a legislação prevê pena de três meses a um ano de detenção para quem pratica os atos contra animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. A pena é aumentada de um sexto a um terço se o crime causa a morte do animal – o que foi mantido no novo projeto.

Denúncias

  • Ministério Público Federal

A denúncia de prática maus-tratos contra animais pode ser feita diretamente ao Ministério Público, que tem autoridade para propor ação contra os que desrespeitam a Lei de Crimes Ambientais.

  • Polícia Militar

Número 190 deve ser acionado em casos de necessidade imediata ou socorro rápido. O 190 está disponível de forma gratuita em todo o território nacional.

  • Delegacias de polícia

O boletim de ocorrência pode ser registrado em qualquer delegacia de polícia, inclusive eletronicamente em alguns estados.

Fonte: Preto no Branco