Rede de proteção animal terá repasse de R$5 milhões para ações

Rede de proteção animal terá repasse de R$5 milhões para ações
Foto: FAS

A Divisão de Monitoramento e Proteção Animal, a Rede de Proteção Animal da Prefeitura de Curitiba, está mais perto de garantir a meta de 15 mil castrações de cães e gatos por ano. Com o repasse de recursos no valor de R$ 5 milhões, vindos do Fundo Municipal do Meio Ambiente, serão viabilizadas, ainda, outras ações que envolvem a causa, como a educação ambiental.

O plano de aplicação do fundo foi apresentado e aprovado em reunião do Conselho Municipal do Meio Ambiente nesta quinta-feira (09/03). Entre os integrantes do conselho estão representantes de órgãos públicos, como as secretarias municipais do Meio Ambiente, Urbanismo e da Educação, a Procuradoria Geral do Município, o Ippuc, e sociedade civil.

Os investimentos deverão ser feitos em ações como as campanhas de esterilização dos animais para que se chegue à meta das 15 mil castrações ao ano, meta definida pelo prefeito Rafael Greca. E também incluirão atenção especial com a saúde de animais em comunidades em vulnerabilidade social.

A aplicação prevê, ainda, um braço de educação ambiental, com foco na guarda responsável dos animais. A intenção é acabar com o comércio e criadouros ilegais, além de situações de abandono e maus tratos de animais.

A superintendente de Controle Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Marilza do Carmo Dias, reforça que a destinação expressiva de recursos à causa animal é uma determinação e um compromisso do prefeito Rafael Greca. A medida foi elogiada pelos conselheiros, em especial os que fazem parte da sociedade civil.

“É um valor histórico, que corresponde à cerca de metade dos recursos disponíveis no Fundo Municipal do Meio Ambiente. O prefeito determinou prioridade nestas ações”, explica.

Participaram da reunião os secretários municipais do Meio Ambiente, Sérgio Tocchio, e do Urbanismo, Marcelo Ferraz César.

Fundo

O Fundo Municipal do Meio Ambiente concentra fontes de recursos para o desenvolvimento de projetos destinados à proteção ambiental e melhoria da qualidade de vida da população.

Os recursos vêm de transferências feitas pelos governos federal e estadual e municipal, de juros de aplicações financeiras, produtos de consórcios e convênios, multas administrativas e doações.

No início do ano, havia saldo de R$ 2 milhões em recursos, mas o município conseguiu um aporte de R$ 8 milhões para poder viabilizar os projetos. Entre as outras ações que devem contar com os recursos do Fundo estão as campanhas de reciclagem e a revitalização de parques e bosques.

Reunião pública

No próximo dia 23 de março (quinta-feira), haverá uma reunião pública da Rede de Proteção Animal com a presença de representantes de ONGs e outros segmentos ligados às causas animais.

A intenção é explicar de que maneira devem prosseguir os programas da rede, principalmente no que diz respeito à esterilização de animais.

Frentes de atuação da Rede de Proteção Animal em 2017

São quatro os principais projetos de aplicação dos valores garantidos pelo Fundo Municipal do Meio Ambiente:

1) Programa de esterilização de cães e gatos
A expectativa da Rede de Proteção Animal é contar clínicas nas Administrações Regionais e a operação de unidades móveis de castração. Os editais da licitação estão em fase de finalização.

2) Convênio com a Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Assinatura de um termo que possibilite o trabalho dos residentes de Medicina Veterinária da instituição a trabalhar com a unidade móvel de esterilização da Prefeitura no atendimento a comunidades em vulnerabilidade social. Os focos seriam a castração e atendimentos de saúde.

3) Colocar o CRAR e funcionamento
Com as obras em fase final, será preciso providenciar uma estrutura para que o Centro de Referência para Animais em Situação de Risco (Crar), localizado na CIC.

4) Guarda responsável
Campanhas educativas visando sensibilização da população sobre o fim do abandono e dos maus tratos aos animais, bem como do comércio irregular.

Fonte: Bem Paraná 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.